Sábado, 15 de junho de 2024
Buscar
Fechar [x]
SEGURANÇA
21/03/2024 17h56

Ex-dirigente de clube de futebol é preso por fraude milionária em SC

Apontado como o líder da organização criminosa, ele é suspeito de ter se apropriado de um montante superior a R$ 10 milhões e ter lesado cerca de 120 pessoas

Paul Mario Baccaglini Frank, ex-presidente do Palermo Football Club, foi preso na Itália no último sábado (16) suspeito de ser o líder de um fraude financeira com criptomoedas, que teria gerado um prejuízo de cerca de R$ 15 milhões em Santa Catarina.

Fraude milionária

Paul Baccaglini foi indiciado pelos crimes de organização criminosa; fazer operar instituição financeira sem autorização; apropriar-se de valores de que tem a posse ou desviá-lo em proveito próprio ou alheio, estelionato e lavagem de dinheiro.

Apontado como o líder da organização criminosa, ele é suspeito de ter se apropriado de um montante superior a R$ 10 milhões e ter lesado cerca de 120 pessoas.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O mandado de prisão foi expedido pela 1ª Vara Criminal Federal em Itajaí em 2022 e, após intensas investigações que tiveram a colaboração da Interpol, o suspeito foi localizado e detido em Vailate, Itália.

A defesa de Paul Mario Baccaglini Frank não foi localizada até a última atualização do texto, o espaço segue aberto para manifestação.

Operação Quéfren

A prisão é resultado da Operação Quéfren, iniciada pela Polícia Federal em abril de 2022,  para desarticular o grupo criminoso formado por cerca de 20 pessoas que realizava fraudes financeiras em Santa Catarina.

A operação revelou que a organização criou empresas que funcionavam como bancos digitais sem a devida autorização do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários.

O grupo começou a atuar com a falsa promessa de rendimentos acima dos juros de mercado, captando recursos financeiros na forma de depósitos em dinheiro ou por meio da negociação de criptomoedas.





Foi possível identificar que a principal empresa envolvida na fraude encerrou as atividades em 2021, alegando que todos os investimentos dos clientes estariam bloqueados em uma conta de corretora de criptomoedas.

A Operação Quéfren, nomeada em referência à antiga pirâmide do Egito, executou 11 mandados judiciais, incluindo três de prisão temporária e oito de busca e apreensão em Balneário Camboriú, Tubarão, Camboriú e Barueri.

Os crimes atribuídos aos envolvidos na fraude financeira abrangem organização criminosa, estelionato, lavagem de dinheiro e violações contra o sistema financeiro nacional.



Receba as principais informações do portal em nosso grupo de leitores do WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/GFBj961lXAC5HR6GTjhg4J



 


Fonte: Redação com informações de Jornal Floripa
Hora Hiper

Tubarão / SC
Avenida Marcolino Martins Cabral, 1788, Edifício Minas Center, Sala 507, 88705-000, Vila Moema
(48) 3626-8001 (48) 98818-2057
Braço do Norte / SC
Rua Raulino Horn, 305, 88750-000, Centro
(48) 3626-8000 (48) 98818-1037
Hora Hiper © 2020. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.