Terça, 28 de setembro de 2021
Buscar
Fechar [x]
POLÍTICA
16/10/2020 13h39

Primeira denúncia da Seival II cita 12 vereadores e dois ex-secretários de Laguna

Promotora elencou em oito pontos os crimes pelos quais baseia a denúncia e os nomes de políticos, gestores e empresários ligados a contratos com a administração pública

A denúncia oferecida pela 2ª Promotoria de Justiça de Laguna produzida em cima do inquérito policial da Operação Seival II, deflagrada em 24 de setembro, já está em análise pelo Poder Judiciário. A força-tarefa liderada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), prendeu três vereadores e um ex-secretário de obras e deteve, de maneira temporária, quatro empresários, incluindo um candidato a prefeito, liberado após depoimento. 


Segundo o portal Agora Laguna, o documento segue em sigilo judicial, mas uma cópia integral com 53 páginas vazou na sexta-feira. A Justiça recebeu a denúncia na terça-feira, 13.


A promotora Bruna Gonçalves elencou em oito pontos os crimes pelos quais baseia a denúncia e os nomes de políticos, gestores e empresários ligados a contratos com a administração pública para serem julgados pela Justiça.


Os fatos investigados foram, diz o documento, levantados após a primeira fase da Seival em 2017 e a partir de delações premiadas do ex-vereador Antônio Laureano (MDB) e do empresário Adílio Hercílio Marcelino, ex-pré-candidato a vereador pelo PL, assim como após análise de depoimentos colhidos em conversas telefônicas interceptadas e documentos apreendidos.


A denúncia aponta para a existência de organização criminosa atuante entre o final de 2016 e meados de 2018, com uma divisão articulada de funções para obtenção de vantagens indevidas, a partir da assunção no comando da Câmara de Vereadores por parte dos parlamentares emedebistas. “[Uma] sofisticada organização criminosa estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas”, analisa a promotora.


Outro crime elencado é o de corrupção ativa e passiva cometido através de uma aliança de dez vereadores para a eleição da presidência da Câmara, com base na solicitação de vantagens indevidas em troca de votos, no começo do mandato em 2017 e na eleição para o biênio de 2019, cujo mesmo crime voltou a ser identificado.


A promotora também elenca crimes de corrupção feitos com troca de cheques em solicitação de vantagem indevida e a partir de uma fraude na reforma do prédio-sede do Poder Legislativo.


“Os fatos trazidos pelas colaborações evidenciaram que a organização criminosa até então desvendada era ainda maior e mais complexa, espraiando-se por outros órgãos e entidades do Município e enredando outros vereadores do partido político que dirige os Poderes Executivo e Legislativo do Município de Laguna, bem como envolvendo a prática de vários outros crimes contra a administração pública”, descreve Bruna, no documento. O Portal tentou entrevistar Bruna Gonçalves, mas a promotora por sua assessoria informou que não irá se manifestar devido o sigilo judicial.



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Denunciados

Adílio Hercílio Marcelino, empresário e ex-pré-candidato a vereador pelo PL, preso na primeira fase da Seival – denunciado por oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.


Adilson Paulino, vereador do PSD – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Alexandro Souza de Almeida, engenheiro civil – denunciado por fraude em licitações.


Antônio César da Silva Laureano, ex-vereador e ex-secretário de Pesca e Agricultura, preso na primeira fase da Seival em 2017 – denunciado por oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Antônio Venâncio, empresário – denunciado por fraude em licitações e por concorrer para o crime de se apropriar, enquanto servidor público, de bem ou dinheiro público em sua posse.


Cleosmar Fernandes, vereador-presidente da Câmara e candidato à reeleição pelo MDB, alvo do desdobramento da Seival em abril de 2018, detido na segunda fase da operação este ano – denunciado por organização criminosa, crime continuado, oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la, fraude em licitação e apropriação de dinheiro público.

Felipe de Favéri Fernandes, engenheiro civil – denunciado por fraude em licitações e por concorrer para o crime de se apropriar, enquanto servidor público, de bem ou dinheiro público em sua posse.

José Wilson Alexandre, engenheiro civil – denunciado por fraude em licitações.

Kleber Roberto Lopes da Rosa, vereador e candidato à reeleição pelo PSL – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Marcos Alves Brasílicio, engenheiro civil – denunciado por fraude em licitações.

Osmar Vieira, vereador-vice-presidente da Câmara e candidato à reeleição pelo PSDB – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Patrick Mattos de Oliveira, vereador e candidato à reeleição pelo MDB – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Paulo Uhlmann, empresário – oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público.

Pedro João de Almeida, empresário – denunciado por fraude em licitações e por concorrer para o crime de se apropriar, enquanto servidor público, de bem ou dinheiro público em sua posse.

Peterson Crippa da Silva, vereador e candidato a prefeito pelo DEM – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Rhoomening Rodrigues, vereador e candidato à reeleição pelo PSDB – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Roberto Alves, vereador do PP – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Rodrigo Moraes, vereador e candidato à reeleição pelo MDB – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Rogério Medeiros, vereador e candidato à vice-prefeito pelo PSDB – denunciado por solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Silvânia Cappua Barbosa, engenheira e ex-secretária de Planejamento Urbano de Laguna – denunciado por fraude em licitações e por se apropriar, enquanto servidora pública, de bem ou dinheiro público em sua posse.

Thiago Duarte, vereador e ex-candidato a vice-prefeito pelo MDB, detido na segunda fase da operação este ano – denunciado por organização criminosa e solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Valdomiro Barbosa de Andrade, vereador e candidato à reeleição pelo MDB, alvo do desdobramento da Seival em abril de 2018, detido na segunda fase da operação este ano – denunciado por organização criminosa e solicitar ou receber vantagem indevida no exercício da função pública ou antes de assumi-la.

Próximos passos

O MP pede que os denunciados sejam condenados às sanções penais violadas, com fixação de valor mínimo para reparação dos danos e perda de cargos, funções públicas e mandatos eletivos.


O recebimento da denúncia pela Justiça, conforme decisão do juiz Pablo Vinicius Araldi, torna os 22 citados réus e eles têm prazo de dez dias para responder ao indiciamento através de um advogado a partir da notificação. Caso não tenham advogado constituído, devem consultar a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para indicar um defensor público.


Araldi também determinou que Peterson Crippa, Rogério Medeiros, Marcos Brasílicio, José Wilson Alexandre e Silvânia Cappua Barbosa, sejam intimados para manifestarem interesse ou não na celebração de acordo de não persecução penal.


O acordo prevê que o investigado confesse formalmente a prática da infração penal em que não haja violência ou grave ameaça à pessoa, e cumpra, de forma cumulativa, ou não, ações como reparar o dano, prestar serviços comunitários, pagar prestação pecuniária, entre outros.

Outras denúncias

A denúncia apresentada é considerada a primeira da segunda fase da Seival. Ainda há outros processos investigativos em andamento, mas já há ao menos um inquérito fechado. Nesta semana, começaram a vazar na internet alguns documentos ligados a outras investigações relacionadas com a Seival II – alguns destes com veracidade confirmada.


Nas páginas, que a reportagem teve acesso, são citados mandados de busca e apreensão nas residências de vereadores que comporiam um grupo conhecido como “G7”; além das casas do empresário e candidato a prefeito Samir Ahmad (PSL), onde há registro de recolhimento de documentos, telefone celular e munições de espingarda; e do ex-secretário de Obras, Renato de Oliveira – detido na Seival II e já solto – e da ex-presidente da Flama, a bióloga Aline Trichês.


Ahmad se defendeu em um vídeo nas redes sociais, onde diz que o caso é uma “fake news”. Os vereadores do suposto “G7” não se manifestaram publicamente sobre o assunto. Aline Trichês não foi localizada para comentar o vazamento. Denunciados


Fonte: Agora Laguna
Hora Hiper

Tubarão / SC
Avenida Marcolino Martins Cabral, 1788, Edifício Minas Center, Sala 507, 88705-000, Vila Moema
(48) 3626-8001 (48) 98818-2057
Braço do Norte / SC
Rua Raulino Horn, 305, 88750-000, Centro
(48) 3626-8000 (48) 98818-1037
Hora Hiper © 2020. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.