Terça, 22 de junho de 2021
Buscar
Fechar [x]
GERAL
24/12/2020 13h41

PGE apresenta recurso para garantir funcionamento de hotéis e realização de eventos com segurança sanitária no Estado

O pedido é para que a liminar concedida seja suspensa imediatamente.

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) protocolou ao meio-dia desta quinta-feira, 24, o recurso contra a liminar expedida pelo juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Florianópolis que, entre outras medidas, suspende os efeitos dos Decretos 1.003/2020 – que alterou a taxa de ocupação dos hotéis – e 1.027/2020, que autoriza eventos sociais, funcionamento de cinemas, teatros, feiras e exposições com 30% de ocupação nas regiões classificadas como de risco gravíssimo conforme a Matriz de Risco Potencial do Estado. O pedido é para que a liminar concedida seja suspensa imediatamente.



Os procuradores alegam que o Estado não foi ouvido antes da tomada da decisão pelo juiz Jefferson Zanini, o que inviabilizou que o Governo demonstrasse a legitimidade das escolhas administrativas feitas no contexto das ações de enfrentamento à pandemia de Covid-19. O Agravo de Instrumento protocolado aponta que o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) ingressou com a Ação Civil Pública com base na opinião de três médicos que compõem um único órgão da estrutura da Secretaria de Estado da Saúde (SES), desconsiderando “todo o aparato estatal à disposição da definição dessas políticas públicas, desde o Governador do Estado, até o próprio Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes)”.



O documento também explica que o Poder Executivo estadual não desconsiderou as orientações do Coes, “muito pelo contrário, a atuação do Governo, com a habilitação de UTIs e edição de normativas claras sobre a necessidade de respeito às regras de distanciamento social e ocupação de estabelecimentos mostra exatamente a consideração do cenário”. Desde o início de dezembro, foram habilitados dezenas de leitos de UTI e liberados recursos para a implantação de 170 novos no ano que vem.



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conforme informações prestadas pelo secretário da Saúde “todas as medidas adotadas pelo governo são resultado de amplo debate com a área técnica e demais setores do Estado”, reforçando que nenhuma alteração no regramento de combate à pandemia é efetuada pelo Poder Executivo sem consulta à SES e aos órgãos técnicos envolvidos no enfrentamento da crise sanitária. Tal postura é exigida pela Lei Federal 13.979/2020, que condiciona a possibilidade de medidas restritivas à liberdade individual e econômica à análise de evidências científicas e informações estratégicas de saúde, sendo limitadas “no tempo e no espaço ao mínimo indispensável à promoção e à preservação da saúde pública”.



A PGE também sustenta que a decisão do juiz viola o princípio da congruência, pois os pedidos feitos pelo MPSC abrangiam apenas o revigoramento da regra sobre hotéis, não aplicando-a sobre outros setores; buscava restringir apenas os eventos públicos ou abertos ao público alusivos às festas de fim de ano e não aos eventos sociais; e não tratava de cinemas, teatros e casas noturnas – como determinado na liminar concedida.



Por fim, os procuradores expõem que conforme previsto na Constituição Federal, a competência para a implementação das medidas restritivas é do Poder Executivo, e “não pode ser suprimida pelo Poder Judiciário e nem pelo Poder Legislativo, sob pena de tais poderes ultrapassarem os limites de suas funções”. Além disso, afirmam que “o autor e a decisão agravada visam tomar protagonismo na atuação sanitária estadual” ao determinar que o Estado edite ato normativo sob pena de multa. “O excesso da decisão é manifesto pela colisão frontal com o princípio da separação dos Poderes”.



O procurador-geral do Estado, Alisson de Bom de Souza, afirmou que Santa Catarina vem cumprindo as recomendações do seu corpo técnico com responsabilidade. “Cabe ao gestor ponderar todos os interesses legítimos a fim de compatibilizar a maior medida da proteção à saúde com o desempenho da atividade econômica, com respeito à vida, à atividade profissional e à necessidade de sustento das pessoas em suas diversas atividades”.



“A regra é a liberdade. A liberdade social, a liberdade econômica. O desempenho da atividade econômica, em sua maior medida possível, não é um pormenor, mas algo relevante para a saúde econômica e social da sociedade e do Estado, por isso a restrição de atividades, notadamente aquelas descritas na Lei Federal 13.979/2020, deve ser justificada tecnicamente, com base em evidências científicas”, justifica.



Atuaram na ação os procuradores do Estado Alisson de Bom de Souza, Jéssica Campos Savi e Sérgio Laguna Pereira.

Fonte: Foto: Cristiano Estrela / Secom
Hora Hiper

Tubarão / SC
Avenida Marcolino Martins Cabral, 1788, Edifício Minas Center, Sala 507, 88705-000, Vila Moema
(48) 3626-8001 (48) 98818-2057
Braço do Norte / SC
Rua Raulino Horn, 305, 88750-000, Centro
(48) 3626-8000 (48) 98818-1037
Hora Hiper © 2020. Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia